Somos a igreja de Cristo

Somos a igreja de Cristo
o quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união....

Vivendo a margem do sistema

Estamos vivendo tempos que quem não participa de nenhuma comunidade é marginalizado pelo sistema....

Seguidores

sábado, 21 de abril de 2012

Educação no Brasil....





Oi amigos blogueiros,nos últimos meses dei uma sumida pois estou trabalhando em um serviço que tem exigido muito de mim,sou inspetora de alunos em uma escola estadual,então já viu neh....Todos os dias tenho passado por situações que jamais imaginei viver,tenho conhecido a verdadeira realidade da educação brasileira e agora sei que as estatísticas que o governo apresenta são apenas números pra inglês ver,é triste constatar a deprimente situação que nossas crianças e jovens convivem dia após dia...São lares desfeitos e desestruturados,falta de conceitos morais e éticos, e tudo isto somado ao baixo apoio financeiro que recebem,muitos de nossos alunos fazem a sua única refeição somente na escola,todos os dias lido com crianças queixando-se de dor de barriga(estômago),dizem que não comeram nada em casa....Também temos que lhes ensinar respeito mútuo,ordem,obediência,etc...Assim que me habituar com trabalho volto a escrever os artigos que tanto amo,apenas peço que orem pela minha vida,pois creio que se estou naquele lugar épara fazer a diferença....Beijos e fiquem com Deus.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Verdades e Mitos sobre a Páscoa

Postado por 

Achei o artigo do amado irmão Augustus Nicodemos muito bom e esclarecedor,por isso tomei a liberdade de posta-lo aqui também, dando os devidos créditos é claro.

Nesta época do ano celebra-se a Páscoa em toda a cristandade, ocasião que só perde em popularidade para o Natal. Apesar disto, há muitas concepções errôneas e equivocadas sobre a data.

A Páscoa é uma festa judaica. Seu nome, “páscoa”, vem da palavra hebraica pessach que significa “passar por cima”, uma referência ao episódio da Décima Praga narrado no Antigo Testamento quando o anjo da morte “passou por cima” das casas dos judeus no Egito e não entrou em nenhuma delas para matar os primogênitos. A razão foi que os israelitas haviam sacrificado um cordeiro, por ordem de Moisés, e espargido o sangue dele nos umbrais e soleiras das portas. Ao ver o sangue, o anjo da morte “passou” aquela casa. Naquela mesma noite os judeus saíram livres do Egito, após mais de 400 anos de escravidão. Moisés então instituiu a festa da “páscoa” como memorial do evento. Nesta festa, que tornou-se a mais importante festa anual dos judeus, sacrificava-se um cordeiro que era comido com ervas amargas e pães sem fermento.

Jesus Cristo foi traído, preso e morto durante a celebração de uma delas em Jerusalém. Sua ressurreição ocorreu no domingo de manhã cedo, após o sábado pascoal. Como sua morte quase que certamente aconteceu na sexta-feira (há quem defenda a quarta-feira), a “sexta da paixão” entrou no calendário litúrgico cristão durante a idade média como dia santo.

Na quinta-feira à noite, antes de ser traído, enquanto Jesus, como todos os demais judeus, comia o cordeiro pascoal com seus discípulos em Jerusalém, determinou que os discípulos passassem a comer, não mais a páscoa, mas a comer pão e tomar vinho em memória dele. Estes elementos simbolizavam seu corpo e seu sangue que seriam dados pelos pecados de muitos – uma referência antecipada à sua morte na cruz.

Portanto, cristãos não celebram a páscoa, que é uma festa judaica. Para nós, era simbólica do sacrifício de Jesus, o cordeiro de Deus, cujo sangue impede que o anjo da morte nos destrua eternamente. Os cristãos comem pão e bebem vinho em memória de Cristo, e isto não somente nesta época do ano, mas durante o ano todo.

A Páscoa, também, não é dia santo para nós. Para os cristãos há apenas um dia que poderia ser chamado de santo – o domingo, pois foi num domingo que Jesus ressuscitou de entre os mortos. O foco dos eventos acontecidos com Jesus durante a semana da Páscoa em Jerusalém é sua ressurreição no domingo de manhã. Se ele não tivesse ressuscitado sua morte teria sido em vão. Seu resgate de entre os mortos comprova que Ele era o Filho de Deus e que sua morte tem poder para perdoar os pecados dos que nele creem.

Por fim, coelhos, ovos e outros apetrechos populares foram acrescentados ao evento da Páscoa pela crendice e superstição populares. Nada têm a ver com o significado da Páscoa judaica e nem da ceia do Senhor celebrada pelos cristãos.

Em termos práticos, os cristãos podem tomar as seguintes atitudes para com as celebrações da Páscoa tão populares em nosso país: (1) rejeitá-las completamente, por causa dos erros, equívocos, superstições e mercantilismo que contaminaram a ocasião; (2) aceitá-las normalmente como parte da cultura brasileira; (3) usar a ocasião para redimir o verdadeiro sentido da Páscoa. 

Eu opto por esta última.